A Ciclus transforma o que poderia se tornar passivo ambiental em ativos com valor agregado
Novo laboratório da Ciclus analisa resíduos industriais


Desde o dia 20 de outubro, a Central de Tratamento de Resíduos (CTR) da Ciclus vem recebendo resíduos industriais. Diferente dos outros tipos de resíduos que o empreendimento também está autorizado a receber (domiciliares, podas de árvore e entulhos), os industriais precisam ser analisados antes de serem destinados à CTR. Você sabe como isso é feito?
Antes da Ciclus receber resíduos de indústrias, é verificado se o material oferece algum risco ao meio ambiente. Isso é feito através de uma análise de sua composição química em um laboratório credenciado, garantindo que o resíduo não é perigoso. Somente resíduos considerados não perigosos (Classe II, de acordo com a classificação da ABNT) podem entrar na CTR; ou seja, aqueles que não oferecem possibilidade de queimar, corroer a manta ou que possam vir a transmitir doenças, por exemplo.
Depois de classificado e aprovado nesse primeiro exame, o resíduo já pode ser enviado para a CTR, que conta com um Laboratório de Análises Expeditas, onde são analisados novamente os resíduos industriais, confirmando que estão conforme o laudo do laboratório credenciado e assegurando que os resíduos não contaminem a área. Além das análises em Laboratório, há ainda o acompanhamento de técnicos durante a descarga dos resíduos enviados à CTR, para garantir que as normas de licenciamento sejam obedecidas.
No laboratório da Ciclus, a análise de resíduos industriais acontece da seguinte forma:




voltar